OS DIFERENTES MANTOS DO EPAGNEUL BRETON E OS SEUS DESVIOS (EPAGNEUL BRETON / MANTOS E DESVIOS)

 

 Gentilmente cedido por Miguel A. Faro

 Traduzido por Maguil Freire

 

 Em primeiro lugar, embora o presente artigo pretenda que, de uma maneira simples, através de fotografias, mostrar as diferentes variedades do manto dos nossos Bretões como são conhecidos, achamos conveniente fazer uma pequena introdução de terminologia e estudos genéticos.

 A coloração da camada e membranas mucosas depende basicamente da produção do pigmento melanina, havendo dois tipos de melanina: a eumelanina, responsável pelas colorações que vão do preto ao marrom e da feomelanina, responsáveis pelas colorações entre o vermelho e o amarelo. Os genes responsáveis por dar as diferentes camadas podem ser agrupados em dois grupos:

Os responsáveis pelas colorações básicas:

 

•   Gene Agutí, ou cinzento lobo, com a sua variante.

  • Ay, alelo amarelo dominante

 

•   Gene E (extenção), com as suas três variantes comuns:

  • Ea, que dá origem a versão alélica do fenótipo “preto dominante”.
  • E, cuja expressão dá origem a indivíduos com uma cor de pêlo preto ou
  • e, que é recessivo, sendo responsavél pelos mantos vermelhos ou

 

•   Genes modificadores dos padrões básicos:

  • Gen B (marrom)
  • Gen D (cor clara)
  • Gene R (ruão)
  • Gene T (com manchas, pontos pequenos).
  • Gene S, que controla a distribuição do branco, com as suas variantes:
    • “S+”, sem mancha branca (braco húngaro)
    • “sw”, manto inteiramente branco (Whestín)
    • “si”, a maioria do corpo é colorido.
    • “sp”, as proporções de áreas brancas e cor são semelhantes.
  • Gene “As” dminante, responsável pelos mantos de duas cores.
  • Gene ”at” recessivo, responsável pelos mantos tricolores.

 

 Deve-se notar que nenhum age isoladamente, interagindo uns com os outros.

    De acordo com o estalão, as cores admitidas no Epagneul Bretão são:

  • Branco/laranja, Branco/preto
  • Branco/marrom, Tricolor preto
  • Tricolor marrom, com manchas moderadamente estendidas de forma irregular.

 Com as variedades de manto branco (áreas brancas limpas), manto mosqueado (áreas brancas com manchas coloridas) e ruão (os pelos coloridos misturam-se com os brancos). Com manchas de fogo no nariz, nos lábios, acima dos olhos, nos membros, na parte frontal do tórax e no ligamento da cauda, nos cães tricolores, sendo desejável a estreita faixa branca na testa, não admitir os mantos unicor ou duas cores sem branco.

 

    BRANCO E LARANJA


 É a cor mais abundante, vem do locus ee, sendo esta recessiva, do cruzamento de dois cães brancos / laranjas, só podem nascer filhos brancos / laranjas,

             Gene "sp" presente, Branco / laranja mosqueado.                                    Branco / laranja manto branco.

  

    DESVIOS

 Mantos que, embora possam ser confirmados, não são desejáveis e devem ser penalizados, nunca devem obter C.A.C.B. em Exposições.

 

   A área branca é excessiva, com uma área laranja quase inexistente.      Gene "si" presente, a cor laranja é muito invasiva deixando                                                                                                                 apenas áreas brancas nas extremidades e pescoço.

 

    BRANCO E PRETO

 Provavelmente a cor mais elegante, é regido pelo gene dominante "B", que controla o pigmento eumelanina que dá a cor preta. Excluído do estalão de 1908 e novamente incluído em 1956.