ESTALÃO DE TRABALHO

EPAGNEUL BRETON

ANDAMENTO: alegre, vivo, fulgurante. O galope é enérgico e rolante, numa sucessão rápida de movimentos robustos. Os galopes alongados ou desenfreado deve ser interdito.

O PORTE DA CABEÇA: a cabeça deve situar-se numa posição elevada, sem exagero, acima do prolongamento da linha dorsal, com a linha chanfro-crânio ligeiramente inclinada. A cabeça está sempre móvel demostrando uma segurança e uma flexibilidade olfativa constante na busca da caça.

Contudo, em algumas circunstâncias difíceis, poder-se-ão admitir controlos rápidos no solo.

A BUSCA: deve ser inteligente, metódica, sem ser mecanizada, demonstrando que o cão caça “ininterruptamente”, adaptando-se à natureza e à configuração do terreno de forma a permanecer constantemente em contacto com o seu condutor.

A PARAGEM: Ao detetar a emanação, após um controlo rápido, o cão deve subir as emanações com bastante autoridade e segurança para bloquear a caça.

A paragem deverá ser de pé mesmo quando é espontânea; no entanto, para uma paragem de surpresa, poder-se-á tolerar uma outra atitude se o chanfro ficar elevado na direção da peça, o que prova que a domina bem.

Independentemente do valor do percurso, a paragem com o cão deitado interdita a atribuição do C.A.C.T.

O DESLIZAR: é efetuado com decisão e prudência para manter o contacto entre o “dono e a peça” até ao levante desta.

A recusa do cão em deslizar é uma falta grave (exepto no caso de proximidade imediata da caça).

O COBRO: em terra e água deve ser efetuado à ordem, de uma forma alegre e rápida.