CAMPEONATO INTERNACIONAL DE OUTONO DA AICEB

CAÇA PRÁCTICA

REGULAMENTO (versão 2019)

Artigo 1

CONSTITUIÇÃO

  1. a) Este evento foi criado pelo Club de l'Epagneul Breton, em março de 2010 em Gurcy le Châtel sob o nome de "AICEB Hunting Championship Practice". Está aberto a todos os Clubes do Epagneul Breton filiado ao FCI, com as quotas em dia com o AICEB o mais tardar o dia antes do campeonato.
  2. b) Este Campeonato da AICEB acontece todos os anos. É organizado por sua vez pelo Clube do Epagneul Breton do país filiado à Federação Cynologique Internationale no qual se realiza o Campeonato Mundial de Caça Prática de Cães Continentais, excepto dificuldade particular.
  3. c) Em caso de particular dificuldade, o Director do Comité da AICEB, decide sobre a localização da organização alternativa a ser implementada.

Artigo 2

OBJETIVOS

  1. a) O Campeonato de Caça Prática da AICEB deve permitir a selecção dos Epagneuls Bretons que caçam de forma mais eficaz, nas condições mais próximas da caça prática e em um estilo mais próximo do estalão de trabalho da raça, conforme definido no estalão de trabalho do CEB.
  2. b) Esta selecção é feita comparando as qualidades dos Epagneuls Bretons dos países participantes durante as provas sob caça selvagem ou de cria, a fim de fazer uma contribuição essencial para a selecção dos melhores criadores de nossa raça, capazes de passar por um adestramento completo.
  3. c) Esta selecção também leva em conta as qualidades morfológicas particulares e essenciais do Epagneul Breton através de uma verificação morfológica prévia de todos os exemplares envolvidos no teste (incluindo cães de reserva). Esta verificação morfológica será realizada um dia antes do início da competição por um júri de dois a três juízes qualificados do standard do Epagneul Breton. Cada exemplar receberá uma pontuação de 20, para avaliar a conformidade com o standard oficial da FCI.

Articulo 3

TIPO DE PROVA

  1. a) O Campeonato da AICEB é um Field Internacional de Outono.
  2. b) O Campeonato da AICEB só se corre em solos durante dois dias.
  3. c) A versão mais recente do regulamento Internacional de Field Trial para os cães de parar continentais da FCI é o aplicado.
  4. d) Concursos são realizados sobre caça de pena, geralmente caçadas quando os cães param.
  5. e) No entanto, pode ser levado em conta na classificação de pontos positivos, mas não erros, excepto a perseguição, tomada em outro tipo de caça. Um cão só pode ser classificado se tiver tomado pelo menos um ponto válido em caça de pena, geralmente caçadas com cães de parar. A prova pode ser restrita de acordo com a decisão da AICEB. Esta restrição deve ser anunciada pelo Comité do AICEB antes do início das competições.
  6. f) Eventual barrage para a atribuição do CACIT corre-se em parelhas.

Artigo 4

COMPOSIÇÃO DAS EQUIPAS DOS CLUBES NACIONAIS

  1. a) Para a apresentação de uma equipa, o Clube Nacional deve primeiro ser sócio da AICEB e a cota atualizada até a véspera do campeonato. O país que não cumpra esta condição não poderá competir.
  2. b) Cada país só pode ser representado por uma equipa de até 4 cães. Uma equipa com apenas um cão só pode reivindicar apenas a classificação individual.
  3. c) Um cão de reserva chamado "reserva" pode ser designado. É imperativo que tenha sido inscrito ao mesmo tempo que os cães da seleção nacional.
  4. d) Cada Clube Nacional é livre da constituição da sua equipa.
  5. e) Qualquer Epagneul Breton selecionado para a equipa nacional, como titular ou reserva, deve ser apresentado no teste de verificação morfológica programado no dia anterior ao primeiro dia das provas do Campeonato. Se um cão da equipa tem uma única falta de eliminação descrita no oficial FCI n ° 95, ele poderá participar nas provas e manter os resultados obtidos em qualquer qualificação. No entanto, os referidos resultados não serão levadas em consideração no ranking individual e da equipa da AICEB.
  6. f) São admitidos na equipa nacional somente os Epagneuls Bretons que são, ao dia do Campeonato, registrados a pelo menos doze meses no Livro das Origens do seu País e propriedade do titular deste país desde a mesma duração. Qualquer cão que tenha corrido na equipa de um país nunca poderá competir na equipa de outro país.
  7. g) O representante de uma equipa nacional é livre para mudar a equipa a qualquer momento. Em particular, pode decidir substituir um cão titular pelo inscrito na reserva. Esta decisão deve ser notificada aos organizadores pelo menos uma hora antes do início das provas. Este período é cancelado em caso de morte ou acidente de um cão titular.
  8. h) Um condutor pode apresentar cães de duas selecções nacionais, mediante acordo prévio por escrito dos Presidentes de Clube dos dois países envolvidos. Na ausência de um acordo escrito e assinado, o condutor terá que escolher uma ou outra nação. O condutor que apresenta por duas nações deve respeitar o artigo 7, Competição, alínea b).

Artigo 5

PARTICIPAÇÃO

  1. a) Até 15 de Agosto de cada ano, o clube anfitrião comunicará ao Presidente e ao Secretário da AICEB as datas e o local do Campeonato AICEB. O Secretário da AICEB comunicará imediatamente esta informação a todos os países membros da associação. A participação de qualquer outro país não será aceita sem a aprovação prévia do Presidente da AICEB.
  2. b) Um mês antes da data da prova, os clubes nacionais confirmam a sua participação no secretariado da AICEB (que será imediatamente transmitido ao organizador) indicando o número de cães que pretendem inscrever na sua equipa.
  3. c) 7 dias antes da data de início das provas do Campeonato AICEB, a composição das equipas (incluindo cães de reserva) deve ser recebida pelo Secretariado da AICEB, que a encaminhará imediatamente ao clube organizador.
  4. d) Sem registro, nenhum compromisso pode ser aceite após o prazo estabelecido acima. Nenhum cão não identificado por tatuagem ou chip poderá competir.
  5. e) Deve ser fornecido obrigatoriamente, EXCLUSIVAMENTE no formulário de inscrição:
  6. O nome do cão, o afixo, o seu sexo, o número de inscrição no Livro Nacional de Origens do País concorrente, a cópia do certificado de identificação (tatuagem ou microchip) mencionado o nome e endereço do proprietário do cão.
  7. O nome, o endereço e nacionalidade do proprietário.
  8. O nome do condutor.
  9. Uma fotocópia do certificado válido de vacinação contra a raiva.
  10. A assinatura do Presidente do Clube deve aparecer na parte inferior da folha de compromisso para certificar a exactidão das informações, bem como o cumprimento integral de todas as disposições do actual Regulamento da AICEB.

Artigo 6

VALORES DOS CONCURSOS

  1. a) O montante dos concursos para cada Campeonato do AICEB é definido anualmente pelo Comitê AICEB para o ano seguinte. Actualmente é 120 € por cão com um mínimo de 240 € por equipa nacional.
  2. b) O montante dos participantes (quatro no máximo = 480 €) deve ser pago no local, ao clube organizador antes do sorteio da constituição da série.

Artigo 7

CONCURSOS

  1. a) O Campeonato Internacional de caça prática da AICEB, realiza-se em dois dias de Field Trial de Outono de caça práctica. As provas correm-se a solos.
  2. b) O trabalho deve refletir a imagem exacta da caça (caçar na frente de si mesmo). Se possível, uma peça de caça será abatida durante o turno. O cão é julgado pelo seu comportamento antes e depois do tiro. Antes do tiro, o cão deve efectuar a busca e parar. Após o tiro, ele deve encontrar e trazer a peça de caça abatida ou ferido.
  3. c) O conjunto de regras estabelecido no capítulo IV do Regulamento da FCI para os FT internacionais e os eventos internacionais para os cães de parar continentais é aplicável ao presente regulamento. Os organizadores devem, em cada bateria, disponibilizar aos juízes um número de peças de caça recentemente mortas. Antes de um cobro a frio, e se a caça já tiver sido usada, será proposto ao condutor que aceite o cobro com esta peça. Em caso de recusa, uma nova peça de caça de pena será usada. A maneira pela qual o cobro em terra é executado será levada em conta na qualificação dos juízes.
  4. d) Tratando-se de uma prova com atribuição de CACIT, o artigo IV.20 do regulamento e particularmente os parágrafos l) e m) deve ser respeitado.
  5. e) Todos os cães que foram classificados a cada dia terão que passar após o final do concurso do dia a uma prova de cobro em águas profundas. Em caso de falha, ou não comparência neste cobro em águas profundas, não se poderá atribuir uma qualificação e o cão receberá e o cão receberá um "Não classificado" (NC).

 

PROVA

  1. a) O número de concorrentes por bateria não pode ser inferior que 8 e maior que 12. Um campeonato que não reúna um número suficiente de seleções pode, em consulta entre o organizador e o Comité da AICEB, ser cancelado.
  2. b) Se necessário, uma ou mais baterias adicionais serão criadas. O clube organizador e o Comité AICEB garantem que os representantes de cada equipa sejam distribuídos, quando possível, nas diferentes baterias. Um condutor com mais de um cão será atribuído a um máximo de duas baterias.
  3. c) O sorteio será realizado no dia anterior a prova, pelo Comité da AICEB. O Comité da AICEB determinará a distribuição dos juízes nas diferentes baterias. Os campos serão sorteados. Finalmente, vamos procede-se ao sorteio dos concorrentes e sua ordem de passagem.
  4. d) A ordem de entrada é meramente indicativa. Um condutor que não estaria presente porque se envolveu em outra bateria irá apresentar na sua chegada. O Juiz aguardará a sua chegada pelo tempo que for necessário.
  5. e) Para o segundo dia do Campeonato, não será feito sorteio. Os juízes permanecerão no campo que ocuparam no primeiro dia. Cada série de concorrentes mudará de campo e juiz seguindo este procedimento: a Série 1 passará com o juiz n ° 2, a série 2 com o juiz n ° 3, a série 3 com o juiz n ° 4, etc. A última série passará com o juiz n ° 1. A ordem de entrada dos concorrentes será invertida em comparação com o dia anterior.

 

Artigo 8

JUÍZES

  1. a) Os juízes serão compostos por um juiz de cada país membro do AICEB.
  2. b) Cada clube do Epagneul Breton membro da AICEB e participando no Campeonato fornecerá, a pedido do Presidente da AICEB, um juiz de seu país qualificado para o Field-Trial em questão. No caso em que o número de juízes propostos pelos clubes seja maior do que o número de juízes requeridos, o Comité da AICEB estabelecerá o juiz e comunicará a todos os clubes envolvidos nesta competição.
  3. c) O Presidente da AICEB escolherá entre os juízes propostos pelos clubes um número suficiente de juízes para garantir a presença de dois juízes por bateria. Não há presidente do júri. No caso de uma deserção de última hora de um possível juiz, o Comitê da AICEB escolherá uma substituição proposta pelo país organizador. Mesmo se um juiz ausente for substituído, não pode haver mais do que dois juízes da nação organizadora. O mesmo juiz não pode julgar mais de dois campeonatos consecutivos da mesma natureza.
  4. d) Um juiz não julgará qualquer cão que tenha sido proprietário, coproprietário, adestrado ou treinado, mantido ou vendido nos doze meses anteriores à competição em que ele julga como juiz, bem como cães pertencentes à sua jurisdição, própria família ou parceiros.
  5. e) Para uma possível barragem para a atribuição do CACIT ou para decidir quais os cães no desempate a vitória individual, um júri será formado quando todos os resultados do dia tiverem sido comunicados pelo Presidente e pelos dois vice-presidentes da AICEB. Evitar-se-á se possível nomear juízes de nações na qual se encontre um cão mencionado para o desempate.
  6. f) As despesas de viagem dos juízes são suportadas pelos clubes dos países que as propuseram (ver Art. 8, alínea b).
  7. g) As despesas de viagem do Presidente, dos dois vice-presidentes e do Secretário-Tesoureiro da AICEB são da responsabilidade da AICEB (excepto no caso de um membro apresentar um de seus cães durante a competição).
  8. h) As despesas de alojamento e restauração dos juízes da AICEB, o Presidente, os dois Vice-Presidentes e o Secretário-Tesoureiro são suportados pelo clube organizador. Os juízes serão atendidos no dia anterior a primeira prova de trabalho até a manhã seguinte do último. O apoio do Presidente, dos dois Vice-Presidentes e do Secretário começará no dia anterior ao exame morfológico e terminará na manhã seguinte do último julgamento da prova de trabalho.

 

 

 

Artigo 9

CLASSIFICAÇÃO

As classificações são dadas por cada juiz a cada cão que tenha efectuado pelo menos um ponto durante o seu percurso. A partir dessas classificações segue uma classificação individual para determinar uma classificação a equipa:

CACT acompanhado do CACI T = 14 pontos

CACT acompanhado do RCACIT = 13 pontos

CACT = 12 pontos

RCACT = 11 pontos

1° EXCELENTE = 10 pontos

2º EXCELENTE = 9 Pontos

3º EXCELENTE = 8 pontos

EXCELENTE = 7 Pontos

MUITO BOM = 4 pontos

BOM = 2 pontos

Classificação por equipas:

  1. a) Para qualificar-se na classificação da equipa, o país deve ter obtido pelo menos duas classificações com dois cães diferentes. Se a equipa incluir apenas dois cães, a condição é reduzida a duas classificações, sem a exigência do número de cães classificados.
  2. b) Os pontos somados pelos cães de cada equipa nacional determinam a classificação da equipa. A equipa com mais pontos será proclamada campeã da AICEB do ano. A segunda equipa será proclamada vice-campeã da AICEB. Em caso de empate, a equipa com o maior número de classificações é designada. Em caso de empate, a pontuação média obtida pela equipa durante a verificação morfológica determinará o vencedor.

Classificação individual:

  1. a) Os pontos totalizados por cada cão nos dois dias da competição permitem uma classificação individual. O cão com mais pontos é declarado o vencedor individual do Campeonato AICEB.
  2. b) O segundo cão é proclamado vice-campeão do Campeonato AICEB. Em caso de empate, conforme previsto no artigo 8, alínea e), permitirá que o vencedor seja nomeado.

 

Artigo 10

PRÉMIOS

A sua atribuição é deixada para a iniciativa do clube organizador. O mínimo, um prémio será atribuído a equipa vencedora e outro ao vencedor individual. Um prémio especial deve ser atribuído á fêmea com mais pontos no Campeonato. Este prémio especial designará a melhor fêmea do Campeonato. O Comité AICEB concederá as recompensas aos vencedores individuais e da equipa. O AICEB pagará mediante solicitação do clube organizador e após a apresentação de um documento contabilístico, uma contribuição de 120€ para o fornecimento dos prémios do evento.

Artigo 11

EVENTOS ADICIONAIS AO CAMPEONATO DA AICEB

Sempre que possível, o clube anfitrião garante que a AICEB seja precedido ou seguido por outras competições (trabalho e / ou beleza) abertas a todos os Bretons de todos os países presentes.

 

Este regulamento anula e substitui o regulamento anterior.

 

Paradas (Espanha), 14 de Fevereiro de 2019

Regulamento traduzido do original versão francesa, para esclarecimento de qualquer dúvida consultar o documento original na versão francesa.